domingo, novembro 02, 2003

kizomba

__________Sera que hoje num ta prova ?
___________Sodade de nos beija
____________Nhum Bon
________________Sirridjádu

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Brincadeira d´aós?
::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::Paké Sofrê?

.............

Enquanto dormes, tu sabes que o meu corpo tapa a luz da manhã para que o teu sono seja sono?

...............Este é um texto repetitivo

Este é um texto sonhado, longe do olhar de toda a gente.

Este é um texto para comemorar um lugar para demorar.

Este é um texto dilatado ocupado com um lugar a salvo onde se pode transbordar e sair de nós.

Este é um texto para partilhar recantos onde desprevenido se recebem abraços.

Este é um texto enlouquecido que guarda vestígios de mim.

sexta-feira, outubro 31, 2003

Vermelho

hoje não.

para amanhã não. para um outro dia.

hoje já me bastou deitar a língua de fora quando me vi ao espelho. procurava as amígdalas vermelhas que às vezes me sufocam.



Branco

o lençol é branco.

o meu corpo é macio.

o cheiro do silêncio apazigua-me e

hoje o silêncio é branco.


a minha voz repousa no lençol e abraça o silêncio.

quinta-feira, outubro 30, 2003

Azul

Estou na rua.

O vento diz que vai ultrapassar o limite de velocidade numa desgarrada com aquele abominável letreiro na Via de Cintura Interna que indica a velocidade máxima.

tanto movimento, brusco, irado- perscruta o meu olhar atento

às vezes é mesmo assim.

é preciso muita arte para se ser subtil e não ser um reles manipulador.

Perante este cenário, procuro um resguardo. Abro o meu livro de memórias________viram, ouviram, sentiram o Azul do Krzysztof Kieslowski ?

_________________________________troco o breu pelo azul

_________________________________o olhar atento pelo mergulho:

_________________________________toco com as mãos no fundo da piscina e umas mãos

invísiveis fazem-me balançar__________e o meu corpo começa a dançar debaixo de água tentando

acompanhar o Coro:


though I speak with tongues of angels,
If i have not love...
My words woud resound with but a tinkling cymbal

And though I have the gift of prophecy...
And understand all mysteries...
And all knowledge...
And though I have all faith
So that I could remove mountains,

If i have not love
I am nothing.
............................

terça-feira, outubro 28, 2003

Geometria

Um triangulo equilátero. Os extremos distendem-se, vira recta. Conjunto de pontos rígidos, colados num fio, gargantilha. Serpenteiam itinerantes, desagregam-se. Microcosmos procurando outros vestígios eléctricos, comboios urbanos. Novos caminhos, novas paragens.

A Tua Ausência

Na tua ausência, sinto o frio. O tempo fluiu sem cor, sem luz, sem cheiro, sem alma.