terça-feira, junho 15, 2004


depois desta viagem
quando parar o carro
que não me venhas esperar à porta
deixa que a minha alma peregrina
acorde o teu corpo crispado
a morder os lábios
invoca
a mim aguarela

diluição