domingo, dezembro 26, 2004

Dois cadernos

dois cadernos___a prenda

e a dedicatória___ ?

I
Dois cadernos. Duas pessoas. Acredito que os homens devem viver o seu destino. Aquele que constroem. Ortega y Gasset diria que aquele que foge ao seu destino é um suicida em pé. Acredito que as pessoas podem e devem ser felizes. Todas.

II
Dois cadernos. Duas cores. Cores carregadas de viver. Pessoas. Tristeza e alegria. O ser humano. Mais escuro, caderno, mais claro, alma. Menos claro, alma, menos escuro, caderno. Gosto da cor laranja. Como a vida deveria ser.

III
Dois cadernos. Duas aventuras. Considero a nossa existência uma aventura numa montanha-russa. Só descemos algumas vezes. Com grande velocidade. Sentimos medo. Natural. Humano. A irracionalidade em todo o seu esplendor. Gosto de descer. E de quando em vez, não é mau. Mas ainda mais de subir. Sentes uma alegria enorme quando sobes. Como a intensidade do romantismo de Chopin.

IV
Dois cadernos. Duas originalidades. Ansiando pela estreia. Indivíduos. Sem relações de afecto. Relações. Interpessoais e com canetas. Cadernos com sentido. Pessoas com mais sentido. O meu sentir, dedilha o Ricardo Rocha. Estou de acordo. Somos um povo de saudade. Que não se personaliza. E ainda falamos de certas pessoas insulares. Sem comentários.

?

sexta-feira, dezembro 24, 2004



Guaysamin

Enquanto houver fôlego nos meus pulmões
Amarei....
E ainda depois

Safo


Votos de tempos serenos para todos.